Capa » Notícias » Movimento quer ajudar 5 milhões de mulheres no Mês de Conscientização Mundial do Lipedema

Movimento quer ajudar 5 milhões de mulheres no Mês de Conscientização Mundial do Lipedema

Junho é o Mês da Conscientização Mundial do Lipedema. Estima-se que 5 milhões de mulheres no Brasil tenham a doença e não sabem; Atinge quase que exclusivamente este público, pois está associado a um padrão hormonal feminino.

Para o movimento que celebra o Mês de Conscientização Mundial da doença, mulheres com Lipedema estão dando depoimentos sobre como foi receber o diagnóstico e como é conviver com a doença todos os dias

A ideia é apresentar a doença para a sociedade e lutar pelo tratamento gratuito, que não existe no Brasil

São Paulo,  junho de 2021 – Junho é o Mês da Conscientização Mundial do Lipedema, uma doença progressiva pouco conhecida no país, causada por acúmulo de gordura nos braços, pernas e quadris, que provoca, entre muitos sintomas, dores, hematomas e dificuldade de locomoção. Estima-se que cerca de 5 milhões de mulheres no Brasil tenham a doença e não sabem, já que é confundida na maioria dos casos com obesidade, pela falta de conhecimento da classe médica. Por conta disso, o Instituto Lipedema Brasil (www.institutolipedemabrasil.com.br), o primeiro centro de referência da doença no país, criou um movimento online para apresentar a doença para a sociedade, mobilizar todas essas mulheres e lutar pelo tratamento gratuito no país, que – atualmente – não existe.

Depoimentos nas redes – Para o movimento que celebra o Mês de Conscientização Mundial da doença, mulheres com Lipedema estão concedendo depoimentos nos canais do Instituto @lipedemabrasil sobre como foi receber o diagnóstico da doença. “Queremos falar sobre isso. Queremos que as pessoas conheçam a doença pelos olhos de algumas das mulheres que sofrem com o Lipedema e como elas convivem com isso todos os dias. Algumas podem fazer o tratamento, outras não. O direito ao tratamento gratuito é direito de todas essas 5 milhões de brasileiras”, comenta o diretor do Instituto Lipedema Brasil, dr. Fábio Kamamoto, um dos poucos especialistas no tratamento da doença no país.

Para isso, foi criada uma campanha online que visa ajudar as 5 milhões de mulheres com a doença no país a conseguirem o tratamento via SUS ou pelos convênios médicos: www.change.org/LIPEDEMA-Acesso-ao-tratamento

Durante todo o mês de junho, o movimento contemplará também ações online com a participação de especialistas nacionais e internacionais, que debaterão sobre a doença, além de depoimentos de mais pessoas com Lipedema. O objetivo é transmitir mensagens importantes de apoio, de conscientização e compartilhar declarações para que todas essas mulheres – as que sabem que têm a doença e não podem fazer o tratamento, e as que ainda não sabem – não se sintam sozinhas.

Divulgação

Dados sobre o Lipedema – A realidade no Brasil

Um dos problemas é o diagnóstico equivocado. Segundo estudo recente*, apenas 9% dos médicos estavam aptos a fazer o diagnóstico da doença;

Costuma ser confundida com obesidade em 75% das pacientes ouvidas no estudo;

63% das pacientes revelaram histórico familiar da doença, algumas vezes acometendo três gerações: avó, mãe e a paciente, evidenciando a tese de que a doença pode ser genética.

O Lipedema não é uma doença estética e, por isso, demanda tratamentos clínico e cirúrgico;

A doença não é fatal, mas atrapalha a qualidade de vida da mulher de tal forma, que pode desencadear distúrbios como depressão, obesidade, perda de mobilidade e redução de auto estima.

O estudo revelou que 94% das pacientes ouvidas relataram limitação física e impacto psicossocial devido à doença;

O Lipedema deverá ser incluído apenas no próximo Código Internacional de Doenças (CID 11) em 2022;

Não há tratamento gratuito para a doença no SUS ou pelos convênios médicos;

No Brasil, há poucos médicos especialistas no tratamento da doença;

 

O que é o Lipedema?

O Lipedema é uma doença progressiva causada por acúmulo de gordura em regiões específicas do corpo como braços, pernas e quadris, que provoca sofrimento físico e psicológico. É confundida muitas vezes com obesidade, por falta de conhecimento e de informação da classe médica. O Lipedema atinge quase que exclusivamente o público feminino, pois está associado a um padrão hormonal feminino. A doença deverá ser incluída no próximo Código Internacional de Doenças (CID 11) em 2022. Atualmente, há dois tipos de tratamento para o Lipedema, o clínico – com técnicas que amenizam a dor (por meio de dietas anti-inflamatórias e exercícios físicos), e o cirúrgico, que remove as células de gordura.

@lipedemabrasil

Instituto Lipedema Brasil

Fonte: clinicakamamoto

As informações veiculadas neste Portal de Notícias  têm caráter apenas informativo e não podem substituir, em qualquer hipótese, as recomendações do médico ou farmacêutico nem servir de subsídio para efetuar um diagnóstico médico ou estimular a automedicação. O médico é o único profissional competente para prescrever o melhor tratamento para o seu paciente. Não se automedique, consulte sempre um Médico ou Farmacêutico em suas respectivas áreas de responsabilidade.

As informações veiculadas neste Portal de Notícias são de responsabilidade exclusiva das fontes citadas para todos os fins legais, sejam Assessorias de Imprensa, Marketing, Profissionais ou não, ou quaisquer outras, e não caracterizando em nenhum momento opinião ou informação de responsabilidade dos realizadores deste Portal de Notícias.

 

 

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Receba nossa newsletter e fique por dentro das novidades do mercado Clique aqui