Capa » Alergias » A maioria dos casos de alergia ocular tem fator hereditário

A maioria dos casos de alergia ocular tem fator hereditário

  • Rinoconjuntivite alérgica acomete mais de 20% da população

 

  • Rinite e asma podem ser doenças associadas à alergia ocular

Alérgenos encontrados no ambiente doméstico, como os ácaros da poeira, fungos e epitélio de animais de pelo, são alguns dos desencadeadores da alergia ocular. Polens de gramíneas, mais frequentes na região sudoeste/sul durante a primavera, também entram na lista de alérgenos.

Em 98% dos casos, a alergia ocular é causada por um processo de hipersensibilidade mediado por IgE, que ocorre em pessoas com predisposição genética para atopia.

A Dra. Elizabeth Mourão, Coordenadora do Departamento de Alergia Ocular da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), explica que para diferenciar a conjuntivite alérgica das bacterianas e virais é preciso se atentar a alguns sintomas.

“As conjuntivites alérgicas acometem ambos os olhos, não são infecciosas e o prurido ocular está presente em quase todos os casos. No caso das conjuntivites virais, sintomas como febre, mal-estar e gânglios cervicais são frequentes, associados à sensação de ardência e desconforto ocular. Além disso, essas conjuntivites costumam vir em surtos, acometendo várias crianças e adultos jovens em um mesmo momento. No caso das conjuntivites bacterianas, os olhos costumam ficar grudados pelo aparecimento de secreção ocular purulenta”, explica a especialista.

As alergias oculares podem acontecer em qualquer época do ano, como é o caso da conjuntivite alérgica perene, desencadeada pela exposição aos aeroalérgenos intradomiciliar ou de forma sazonal, durante a primavera (agosto a dezembro). O clima seco e quente, a permanência em ambientes refrigerados ou aquecidos e o contato esporádico com animais de pelo como gatos e cães também podem desencadear a doença.

Tratamento – Além de controlar o processo inflamatório conjuntival, com melhora da qualidade de vida, o tratamento visa evitar complicações que são frequentes nas formas crônicas da doença, como disfunção do filme lacrimal, ceratocone, úlceras de córneas, papilas gigantes e distúrbios visuais.

“É importante salientar que o tratamento deve ser feito pelo alergista em conjunto com um oftalmologista, envolvendo medidas de profilaxia aos aeroalérgenos, tratamento farmacológico e imunomodulador. A automedicação com colírios sem acompanhamento médico pode levar ao retardo do tratamento e agravamento da doença, bem como a complicações decorrentes de efeitos colaterais do uso indiscriminado desses medicamentos, como aumento da pressão intraocular e susceptibilidade a infecções no caso dos colírios a base de corticosteroides”, comenta Dra. Elizabeth.

imunoterapia é também uma forte aliada para o desenvolvimento de tolerância ao alérgeno desencadeante de sintomas, com bons resultados para os ácaros da poeira e os pólens de gramíneas.

Alergia ocular e rinite – A alergia ocular pode estar relacionada também com a asma e a rinite. Na maioria dos casos, está associada com a rinite alérgica, na forma de rinoconjuntivite alérgica. A associação com outras doenças mediadas por IgE como a asma e dermatite atópica também é frequente.

Prevenção – A rinoconjuntivite alérgica é uma doença de caráter hereditário e ocorrência familiar, que acomete mais de 20% da população. É muito importante que os alergistas investiguem a doença, para que um tratamento adequado seja iniciado, com melhora da qualidade de vida e para minimizar complicações decorrentes do prurido ocular crônico como o ceratocone, por exemplo. Um ambiente controlado, com redução de exposição aos aeroalérgenos, pode impactar positivamente na frequência das crises e controle dos sintomas.

Sobre a ASBAI

A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia existe desde 1972. É uma associação sem finalidade lucrativa, de caráter científico, cuja missão é promover a educação médica continuada e a difusão de conhecimentos na área de Alergia e Imunologia, fortalecer o exercício profissional com excelência da especialidade de Alergia e Imunologia nas esferas pública e privada e divulgar para a sociedade a importância da prevenção e tratamento de doenças alérgicas e imunodeficiências. Atualmente, a ASBAI tem representações regionais em 23 estados brasileiros.

Serviço

Podcast: https://auv.short.gy/ASBAIpodcast

Facebook: https://www.facebook.com/asbai.alergia

Instagram: https://www.instagram.com/asbai_alergia/

Youtube: https://www.youtube.com/?gl=BR&hl=pt

Twitter: @asbai_alergia

Site: www.asbai.org.br

Fonte:

Gengibre Comunicação

As informações veiculadas neste Portal de Notícias  têm caráter apenas informativo e não podem substituir, em qualquer hipótese, as recomendações do médico ou farmacêutico nem servir de subsídio para efetuar um diagnóstico médico ou estimular a automedicação. O médico é o único profissional competente para prescrever o melhor tratamento para o seu paciente. Não se automedique, consulte sempre um Médico ou Farmacêutico em suas respectivas áreas de responsabilidade.

As informações veiculadas neste Portal de Notícias são de responsabilidade exclusiva das fontes citadas para todos os fins legais, sejam Assessorias de Imprensa, Marketing, Profissionais ou não, ou quaisquer outras, e não caracterizando em nenhum momento opinião, recomendação, aval ou informação de responsabilidade dos realizadores deste Portal de Notícias.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Receba nossa newsletter e fique por dentro das novidades do mercado Clique aqui