Capa » Dor » Você sofre de dor crônica e não sabe o que fazer? – saiba agora tudo o que precisa saber e não sofrer mais
Você sofre de dor crônica e não sabe o que fazer? – saiba agora tudo o que precisa saber e não sofrer mais

Você sofre de dor crônica e não sabe o que fazer? – saiba agora tudo o que precisa saber e não sofrer mais

A Médica, Especialista em Tratamento da Dor pela AMB e Docente da Pós Graduação de Tratamento da Dor no Einstein, Dra. Amelie Falconi, vem Nos Esclarecer Pontos Importantes.

Ela não tem idade certa para acontecer e pode surgir sem que nenhuma lesão grave tenha acontecido anteriormente, mas hoje a dor crônica, acomete um grande número da população e a maior parte das pessoas não sabem exatamente o que fazer e nem que existe uma especialidade pronta a atender essas pessoas: A medicina da dor.

Mas você sabe o que é uma dor crônica?

A dor, é considerada crônica quando persiste por mais de 3 meses ou persiste após a resolução de uma lesão tecidual aguda ou acompanhada de uma lesão que não se cura. Ou seja, quando a dor permanece por um período superior a três meses, ela é classificada como “Dor Crônica”. Esta, no entanto, pode ser resultado de outras doenças crônicas, entre elas doenças musculoesqueléticas, cardiovasculares, neurodegenerativas, câncer, entre outros.

Um conceito importante para entender é que lesão não é sinônimo de dor. Inclusive, entre as classificações de dor existe a chamada “dor Nociplástica”, que é a dor persistente e que não tem uma associação com lesão de algum tecido ou de alguma parte do corpo, como a Fibromialgia, a Síndrome Dolorosa Complexa Regional, a Coccidinia, que é a dor no cóccix, entre outras. Além disso, a dor também pode ser classificada em Neuropática ou nociceptiva que é  proveniente de alguma lesão, trauma ou acidente.

Foto: Divulgação

Segundo a Dra. Amelie Falconi, médica especialista e referência em Medicina da Dor, docente da pós graduação em dor no Einstein, precisamos entender que, com relação a dor, ela sempre deve ser avaliada, investigada e, principalmente, tratada.

“Mesmo estímulos dolorosos leves, quando contínuos, podem levar a alterações no sistema nervoso central, em relação a dor, o que causa dores persistentes e exacerbação dos quadros de dores.

E continua: “-Mesmo se o estímulo doloroso cessar, a dor pode continuar pelas alterações que ocorreram no sistema nervoso, entre elas podemos citar a sensibilização central. Ou seja, a dor pode estar presente mesmo na ausência de uma lesão.

A dor pode acometer qualquer idade, desde o período neonatal, como nos pacientes idosos. Extremamente importante deixar uma situação clara: a  medicina da dor  é uma especialidade que não se resume a passar simplesmente uma medicação para que a dor cesse. Dra Amelie explica que existem mudanças no  estilo de vida do paciente, que precisam se ajustadas para interromper a situação que desencadeou aquela dor.

A Medicina da Dor é uma especialidade reconhecida e com certificação pela Associação Médica Brasileira. O médico da dor é especializado em avaliar, diagnosticar a síndrome dolorosa e cuidar da sua dor. A avaliação, o diagnóstico, das síndromes dolorosas e o tratamento adequado para cada paciente são as funções dessa especialidade.

Para o médico se especializar em dor crônica e obter o título, ele tem que ter outra especialidade, ou seja: ele pode ser anestesiologia, ortopedista, neurologista entre outras. Então, um médico especialista em dor necessita de 2 RQE, que é o registro de especialista.

Dra. Amelie diz que uma das dúvidas  iniciais, mais comuns dos pacientes é sobre a necessidades de tomar remédio para o resto da vida, que é uma situação variável , ou seja, depende de casa caso!

“Precisamos pensar na dor crônica como qualquer doença crônica, como a hipertensão e a diabetes, que você precisa ser tratado e medicado para o controle delas, mas com mudanças no estilo de vida. Com a dor crônica é a mesma coisa.

Uma dúvida muito comum em geral é sobre as limitações diárias. Se o paciente vai precisar de ficar em repouso, se afastar do trabalho ou outras atividades de lazer e a Dra Amelie é firme ao afirmar que: Não!

“O paciente até pode ter uma limitação inicial, mas só até conseguir um controle adequado da dor – explicou a Dra. Amelie Falconi.

A especialista diz também que infelizmente, muitas pessoas se acostumam a viver com dor, seja qual for, mesmo aquelas que acreditam que a dor é por causa da idade, mas tudo isso está errado. A dor tem tratamento, então procurem um especialista.  Não é normal sentir dor, e não é para convivermos com dor.

Muitas outras causas intensificam a dor crônica como: sono, fatores psicológicos, estilo de vida do paciente, entre outros. Isso mostra o quanto a dor crônica pode ser mais desafiadora na hora do tratamento.

Se você tem uma coronariopatia, se as suas artérias estão entupidas, você vai a um cardiologista que vai entrar com medicação, mas também vai intervir no seu estilo de vida, sugerindo modificações, como dissemos anteriormente. A mesma coisa acontece na dor crônica. Primeiro entramos com medicações e mudanças no estilo de vida, depois realizamos os procedimentos minimamente invasivos, para, depois, encaminhar o paciente para a cirurgia. Algumas situações. Possuem indicação de procedimentos para o alívio da dor, ou cirurgia, então, passe por um médico da dor para saber qual é a sua situação. O tratamento precoce garante maiores chances de sucesso no alívio da dor crônica. Lembre-se disso!” finaliza a médica.

Existem várias opções para o tratamento da dor. Procure um médico especialista e cuide da sua dor!

 

CRÉDITOS:

  • Amelie Falconi possui formação em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Especialização em Anestesiologia MEC/ SBA
  • É especialista em dor pela Santa Casa de São Paulo
  • Tratamento Intervencionista da Dor
  • Possui Título de área de atuação em dor pela AMB (Associação médica brasileira / que determina os títulos de especialista em dor)
  • Fellow of International Pain Practice (FIPP) pela WIP (World Institute of Pain)
  • Sócia Diretora da Clínica PROSPORT
  • Professora /corresponsável da pós graduação de Tratamento Intervencionista da Dor no Einstein
  • Professora da Pós Graduação de Dor do Einstein – RJ

Autora de diversos capítulos de livros sobre dor.

Instagram: @amelie.falconi_medicin

Twitter: falconiamelie

Atendimento online e presencial -Juiz de Fora

Fonte:

MMelo Assëssoria

Para ler mais sobre sua saúde, clique aqui.

Sua saúde física e mental,  medicamentos, farmácias e drogarias estão no Portal 2A+ Remédios com atualizações diárias a qualquer momento.

As informações veiculadas neste Portal de Notícias  têm caráter apenas informativo e não podem substituir, em qualquer hipótese, as recomendações do médico ou farmacêutico nem servir de subsídio para efetuar um diagnóstico médico ou estimular a automedicação. O médico é o único profissional competente para prescrever o melhor tratamento para o seu paciente. Não se automedique, consulte sempre um Médico ou Farmacêutico em suas respectivas áreas de responsabilidade.

As informações veiculadas neste Portal de Notícias são de responsabilidade exclusiva das fontes citadas para todos os fins legais, sejam Assessorias de Imprensa, Marketing, Profissionais ou não, ou quaisquer outras, e não caracterizando em nenhum momento opinião, recomendação, aval ou informação de responsabilidade dos realizadores deste Portal de Notícias.

 

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Receba nossa newsletter e fique por dentro das novidades do mercado Clique aqui